quarta-feira, 5 de março de 2008

Já declamava o poeta

“…Les gouvernements passent;
Les sociétés perissents;
La Police est eternelle!”
Balsac ( 1 )
( 1 ) Honoré de BALSAC (1799-1850). Romancista francês.

“…
E folgarás de veres a Polícia
Portuguesa na paz e na milícia” ( 2 )


( 2 ) Luís de CAMÕES – Lusíadas, VII, 72.

Sem comentários: